Pular para o conteúdo principal

CARDO , O BAIRRO JUDEU NA CIDADE VELHA DE JERUSALÉM





O Cardo era a rua principal nas cidades da Roma Antiga, indo de norte a sul e ladeada por uma fileira de colunas de cada lado. O Cardo de Jerusalém começa no Portão de Damasco no norte e atravessa a cidade ao sul até a área do Portão de Sião.
Escavações no bairro judeu, descobriram seções do Cardo bizantino que se estendem intermitentemente por aproximadamente 180 metros.
O Cardo era composto por uma via central, aberta ao céu, para a passagem de carruagens e animais, ladeada em cada lado por passarelas cobertas com colunatas para pedestres. A estrada é pavimentada com lajes de pedra e tem 22,5 metros de largura. Em alguns trechos do Cardo, as escavações revelaram barracas cobertas e oficinas que ficavam ao longo das passarelas.
Na seção sul do Cardo, edifícios de períodos posteriores foram removidos, revelando o nível do Cardo bizantino. Algumas das colunas foram restauradas, e hoje podemos passear por lá e apreciar a área comercial com lojas e restaurantes de qualidade ímpar.
Super recomendo essa visita!!

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

SEGULOT... VOCÊ ACREDITA??? O QUE É ISSO???

Segulot Nesta época do ano (período próximo do ano novo judaico) e em todas as luas cheias as pessoas costumam enviar correntes de Segulot por mensagens. Mas o que seria isso exatamente? Etimologicamente segulot significa tesouro e é nesse sentido que é usada na Torá, quando se refere ao povo de Israel, como Am Segula.... povo escolhido. Popularmente entende-se segulot como palavras ou atos que tenham por finalidade contribuir de alguma forma para remediar ou curar o corpo ou a alma da pessoa.  É uma espécie de Tefilá (oração) que expressa concretamente , com base em desejos de fé (emuná) e confiança de que um indivíduo fortalece sua conexão com Deus. Em hebraico , a palavra Segulot, significa remédio espiritual. São apenas 28 palavras que têm um força poderosa de cura, limpeza e proteção.  É como se fosse um mantra ou uma oração falada que age como uma ferramenta mística do espírito. "Deus, nosso Divino Pai e Criador, por favor,  ande pela minha casa

ANA BECOACH... JÁ OUVIU FALAR?

ANA BEKOACH... JÁ OUVIU FALAR? Ana Bekoach é uma prece que segundo os cabalistas, das mais poderosas que tem. Ela possui uma sequência de letras hebraicas que circundam os reais poderes da criação. Ana Bekoah (lê-se ANA BEKOAH, com um “E” breve, um “O” fechado e um “H” como se fosse um r) É construída partir de 42 letras que fazem a conexão com o nome de DEUS. As sete sentenças da reza, relacionam-se com os sete dias da semana. Cada dia meditamos na sentença apropriada para tomar controle sobre aquele período de 24 horas. Domingo se conecta à primeira sentença e o shabat está ligado à última sentença. Cada mês do ano tem um corpo celeste e cada corpo tem um verso correspondente na reza Ana Becoach. Sendo assim, meditamos sobre o respectivo planeta e as letras hebraicas que criaram tanto o planeta como o signo do Zodíaco. Avraham o Patriarca, revelou os segredos astrológicos das letras hebraicas e dos signos do Zodíaco em seu tratado ca

IGREJA DE SANTA ANA, JERUSALÉM

 Antes de iniciar a Via Dolorosa, perto do Portão dos Leões, na cidade velha de Jerusalém, encontra-se um local especial e importante devido a sua história....Betesda...local onde Jesus praticou o famoso milagre do paralítico. Antes de chegarmos ao Tanque de Betesda, bem à nossa direita, encontramos uma linda igreja. A Igreja de Santa Ana. Danificada pelas invasões persas em 614, ela foi reconstruída e depois destruída pelos árabes em cerca de 1010. Os cruzados construíram um pequeno monastério sobre as ruínas, e em 1030 também construíram a basílica atual, uma grande igreja Romântica dedicada a Santa Ana, sobre as cavernas onde a memória do local de nascimento da Virgem foi guardada. No final do período das cruzadas Santa Ana foi transformada em  uma escola de lei islâmica, e foi negligenciada sob o império otomano.  Em 1856 os otomanos ofereceram a basílica para a França, e ela foi confiada aos Missionários da África, ou Pais Brancos, que até hoje dão boas vindas aos peregrinos. A Ig