Como é vir para Israel depois dos cinquenta?

Em primeiro lugar quero me desculpar pela ausência. Houve algumas mudanças em minha vida que me tomaram muito tempo e me impediram de me dedicar ao blog e a minha arte. Aos poucos estou retomando, pois estes dois elementos fazem parte da minha alma....não vivo sem arte e amo escrever para o blog.
 Muitas pessoas me perguntam como é viver aqui em Israel e eu decidi escrever um pouco, mas dedicando esta matéria para as pessoas acima de 50 anos.


                      Como é vir para Israel 
                 depois dos cinquenta?



Olha... não é nada fácil, mas não é impossível para quem tem sonhos e determinação. Tem que saber que aqui não vai encontrar um mar de rosas e que a adaptação não é tarefa fácil, especialmente para quem já traz consigo uma bagagem de anos de vida.
O primeiro grande desafio e que nem todos conseguem é aprender a língua.
Eita linguinha complicadinha prá quem nunca estudou, né?
Mas sabe... aos poucos, com o tempo e com força de vontade a gente começa a absorver de uma forma bem natural. Mesmo falando errado, as pessoas acabam nos entendendo. Claro que tem aqueles que não têm muita paciência, mas não se preocupe... eles nem imaginam como se fala português. Não sinta-se burro!!!
De forma geral, todos estão acostumados por aqui com o falar errado, pois grande parte da população é de imigrantes.
O ideal para quem vem nessa faixa etária é se possível ter alguma renda mensal, para que possa ter um conforto pelo menos no começo.
O início, os primeiros anos não são fáceis, mas também vai da forma que cada um encara.
Coisas básicas como ir ao médico, fazer um depósito no banco, ir ao correio, à farmácia, às vezes tornam-se pesadelos, pois não sabemos nos comunicar, nos fazer entender.
Claro que um pouco de inglês e o famoso Google translator ajudam muito, mas nem sempre são os melhores.
Porém, tem coisas que aqui tem que no Brasil e outros países não tem. Sentimos mais segurança, mais qualidade de vida, mas tranquilidade em vários aspectos.
Problemas têm de monte, mas temos as nossas compensações.
O que é muito bom daqui é o custo do seguro saúde. Existem alguns convênios e todos funcionam de forma parecida, por custos baixos. E funcionam!!!! Acredite se quiser!!!!
Outra coisa que eu acho muito legal aqui é a simplicidade. Embora hoje Israel não seja mais o mesmo de 20 anos atrás, ainda existem as pessoas simples que não se importam com o que os outros dizem.
Num casamento chique, por exemplo, nada de grandes produções. Claro que tem aqueles que se enfeitam mais, mas se você for vestido de uma maneira mais clean e esportiva, ninguém vai te olhar torto.
Aliás... Aqui nas festas não é hábito se dar presente. Todos dão um valor em dinheiro para os donos da festa. Uma forma de colaborar com tudo que eles ofereceram para nos divertirmos e comermos.
Voltando ao assunto idade.... Nem todos os trabalhos são possíveis de encarar depois de certa fase da vida. Existem os fatores físicos que muitas vezes pesam na hora de escolher um ofício.
Por isso penso que seja muito aconselhável ter uma renda, alguma entrada de dinheiro ou uma reserva para não se apertar em épocas mais difíceis.
A população idosa trabalha normalmente. Mas tem pessoas que precisam de cuidados especiais e aqui tem uma função muito comum que são os cuidadores de idosos. Tem vários escritórios que contratam gente para cuidarem de pessoas em estado mais frágil. Isso o convênio dá de direito para alguns casos.
Existem também os Beit Avod, que são casas de repouso que oferecem cuidados maiores para quem necessita.
A imigração das pessoas maduras traz consigo preocupações e pressões que são importantes estarmos cientes. Sempre são questões complicadas emocionalmente falando, pois desenraizar de um lar, integrar uma nova sociedade, fazer novos amigos, faz parte dos desafios de quem decide mudar tudo.
É  logico que a maioria das pessoas maduras vem com a vontade de fazer uma grande jogada na vida em um novo lugar. Já passaram por muitas coisas, seus filhos já cresceram, acumularam muitas experiências e alguns conseguiram acumular bens materiais também. Muitos ainda estão saudáveis e em condições de trabalhar e contribuir para o crescimento da pátria judaica.
E aí vem os diversos e naturais questionamentos.....

Posso fazer algo em Israel?
A família vai lembrar de mim?
Vou conseguir aprender a língua?
Onde vou morar?
Vou conseguir me adaptar?
Para quem vem só... Vou encontrar alguém?
Como será com meus tratamentos médicos?
Enfim ...O que esperar?

A falta de conhecimento geral de como  as coisas de forma geral são feitas em Israel é um fator perturbador no começo.
O fato de ter sido alguém conhecido, um profissional renomado e de repente ser mais um número entre tantos, também é uma incógnita.
Como enfrentar essa barreira?
Seu foco deve estar em encontrar um emprego.
Construir carreira nesta fase da vida, num local totalmente diferente, creio que seja meio utópico. Penso que o foco deve ser outro, para não haver frustrações.
As expectativas realistas e a moderação são essenciais quando se vem nessa fase da vida. Viver aqui é maravilhoso, mas exige desafios, confiança, coração aberto, vontade de se adaptar e muita flexibilidade.
Lembre-se... você estará se reinventando, se reconstruindo e isso é sensacional.
Chegou a grande oportunidade de você se redescobrir, perceber o que realmente te faz feliz.
Procure entrar na internet para descobrir sites de emprego, organizações de imigrantes,(Oleh), anúncios em jornais e artigos, eventos de networking, aproximação com  pessoas que podem te ajudar...
Lembre-se sempre...FLEXIBILIDADE!!!OUSADIA!!! CORAGEM!!!!FÉ!!!!
Em seu currículo e em entrevistas é importante enfatizar a sua experiência e estar ciente de que você não tem problemas em trabalhar com gente bem mais jovem, mesmo que seu chefe tenha a idade de seus filhos ou até netos.
 Lembre os empregadores que os idosos costumam ser candidatos leais, flexíveis e experientes.

O outro lado da moeda...

Aqueles que vêm dependendo dos filhos...
No judaísmo cuidar dos pais é uma mitzvá (mandamento) enorme!
Muitos idosos chegam aqui com sua capacidade física e mental em detrimento e logicamente precisam de ajuda.
Os filhos serão seus protetores, mas precisarão de colaboração, assim como precisarão adaptar suas casas para receberem uma pessoa idosa...
É necessário um plano completo de saúde e também seus pais devem trazer consigo todos os documentos que possuem para o caso de precisarem demonstrar alguma situação.
Aconselho também a procurar um advogado para evitar aborrecimentos burocráticos no futuro.
No caso de necessidades como muletas, cadeira de rodas, etc... ,temos o Yad Sarah que é uma organização maravilhosa onde emprestam ou alugam vários tipos de equipamentos e objetos necessários para os cuidados de pessoas em diversas situações.
Já falei deles aqui em meu blog.
Se seus pais forem morar sozinhos, é interessante que morem por perto de você, de modo que facilite no caso de alguma urgência ou necessidade.
Existem várias opções de lares de idosos  e residências assistidas, públicos e privados em Israel, onde oferecem atividades sociais, refeições, cuidados intensivos,etc...
Muitos são pagos e bem caros.
É necessário registrar seus pais no Bituach Leumi, pois apesar de muito burocráticos eles podem ajudar em caso de necessidade.
O Bituach Leumi é o Instituto Nacional de Seguros e está a cargo da segurança nacional dos moradores israelenses. A sua tarefa principal é garantir meios de apoio para aqueles que são incapazes de ganhar a vida.
Quanto a planos de saúde.... é sempre bom pesquisar antes e se possível virem equipados com medicamentos para pelo menos três meses, para dar tempo de encontrarem um bom médico que os acompanhe.
Enfim... existem muitas informações e muitos caminhos.
O grande segredo é não desistir, ter muita paciência e força de vontade que no final tudo vai se encaixando e dando certo.
Sabe o que eu acho?
Nunca é tarde para tentar, se reconstruir, se remodelar, viver!!!!


Pode ter certeza.... você fez a escolha certa!!!!



RECENTE

FABRICA DE VELAS EM SFAT MARAL

Viaje pelas postagens...